Sites Grátis no Comunidades.net
Translate this Page
ajudem-nos
gostaram desse novo visuall?
Sim
Não
Ver Resultados

Rating: 3.1/5 (3477 votos)




ONLINE
1






 

Clique-me e siga-me no Twitter

Web Site Monitorado pelo Sentinela Web

Serviço de Monitoramento Sentinela Web

 

 

 

 

 

Link112

Link112


Os 5 jogos que mais levaram tempo para ser desenvo

Os 5 jogos que mais levaram tempo para ser desenvo

 


 

Notícias sobre games adiados fazem parte da rotina diária de quem acompanha esse meio. Muitas vezes, elas surgem como algo bem-vindo, especialmente se o tempo adicional garantido pelos desenvolvedores vai ser usado para dar os toques finais em um título que está sendo aguardado ansiosamente.

No entanto, a demora em produzir um jogo nem sempre significa algo bom. Projetos que levam muito tempo para ser concluídos podem deixar de ser relevantes para o mercado ou pior, ter uma qualidade abaixo do esperado devido à inaptidão de seus criadores para produzir algo bom mesmo com todo o tempo do mundo à disposição.

Reunimos cinco exemplos de games que, por diversos motivos, passaram um tempo considerável sendo desenvolvidos. Enquanto alguns acabaram se transformando em referência para o mercado, outros simplesmente falharam em deixar uma marca e só serviram para gastar dinheiro e destruir os sonhos de seus criadores.

Team Fortress 2 – 9 anos

Um dos maiores sucessos da Valve, Team Fortress 2 era totalmente diferente quando foi revelado na E3 de 1999. A sequência para um dos mods mais famosos de Quake assumia tons sérios e enfatizava o uso de táticas avançadas em sua jogabilidade — havia até mesmo um “Modo Comandante” que permitia observar o campo de batalha sob uma visão diferenciada.

Atrasos no desenvolvimento do game fizeram com que ele fosse adaptado para a engine Source, e durante um longo período os jogadores ficaram sem receber qualquer notícia sobre o título. Em 2006, a forma final do FPS foi revelada durante o EA Summer Showcase, surpreendendo a muitos.

No lugar da temática milita sisuda, havia agora personagens estilizados e uma paleta de cores bastante diversificada. Segundo a Valve, três a quatro versões funcionais do game foram descartadas antes do design final ser acertado — decisão que se provou benéfica para o game, que continua bastante popular mesmo oito anos após seu lançamento.

Final Fantasy XV – 9 anos (até agora)

Anunciado em 2006, Final Fantasy XV era conhecido originalmente como Final Fantasy Versus XIII — um título exclusivo para o PlayStation 3 que fazia parte da iniciativa Fabula Nova Crystallis. Em sua concepção original, o título teria relação indireta com os eventos de Final Fantasy XIII, mostrando seu universo sob a perspectiva de outros personagens.

Final Fantasy XV era conhecido originalmente como Final Fantasy Versus XIII

Após vários adiamentos (e duas sequências diretas de Final Fantasy XIII), a Square Enix decidiu mudar o foco do jogo. No lugar de Tetsuya Nomura, entrou a figura de Hamjime Tabata como diretor do título, que passou a ser considerado uma sequência numerada da série que deve chegar ao PlayStation 4 e ao Xbox One.

Embora a Square Enix tenha prometido que o RPG chega às lojas em 2016, a tradição da empresa de atrasar o desenvolvimento de seus games deixa essa afirmação em dúvida até o momento em que um lançamento realmente acontecer. Ao menos baseado na demonstração jogável incluída em Final Fantasy Type-0 HD, parece que a espera para conferir o jogo deve valer a pena.

Prey – 11 anos

Em 1995, a 3D Realms estava em seu ápice e prometia ser um dos estúdios mais longevos de toda a indústria. Foi neste ano que a empresa iniciou o desenvolvimento de Prey, título que deveria servir como um exemplo das possibilidades que a engine proprietária do estúdio tinha a oferecer.

O primeiro grande adiamento do jogo surgiu quando Tom Hall, seu principal designer, deixou o estúdio para fundar a Ion Storm com John Romero. Após diversas iterações e testes feitos por uma nova equipe, todo o trabalho feito até então foi descartado em 2001, quando o projeto sofreu um reboot total.

Finalmente lançado em 2006, Prey foi bem recebido pela crítica e pelo público, mas não causou o impacto imaginado no momento de sua concepção. Uma sequência para o título foi anunciada logo em seguida, tendo sido cancelada oficialmente pela Bethesda em 2014 após 8 anos de um processo de desenvolvimento complicado e recheado de mistérios.

Diablo 3 – 11 anos

Logo após o lançamento da expansão Lord of Destruction para Diablo 2, a Blizzard North iniciou o processo de criação do que deveria ser Diablo 3. Por motivos que nunca ficaram muito claros para o público, o projeto foi reiniciado diversas vezes e passou por várias mudanças de direção.

Antes de o jogo finalmente chegar às lojas em 2012, a Blizzard passou por diversas mudanças — entre elas, o fim da consagrada Blizzard North. Inicialmente exclusivo para PCs, o título recebeu uma recepção um tanto mista em seu lançamento — enquanto alguns elogiaram sua jogabilidade, decisões como a inclusão da Casa de Leilões e a exigência de uma conexão constante com a internet não geraram muito contentamento.

O projeto foi reiniciado diversas vezes e passou por várias mudanças de direção

Eventualmente, o game recebeu adaptações para os consoles e uma série de patches que ajudaram a transformar a experiência oferecida. Com o lançamento da expansão Reaper of Souls, o título recebeu o bem-vindo “Modo Aventura”, que até hoje estimula uma quantidade massiva de fãs a continuar explorando o mundo de Santuário.

Duke Nukem Forever – 15 anos

Um dos títulos mais infames da história, Duke Nukem Forever levou nada menos que 15 anos para finalmente ser lançado. Uma das maiores provas de que um longo tempo de desenvolvimento pode produzir resultados desastrosos, o título não conseguiu corresponder às grandes expectativas gerados em torno dele, o que resultou em análises bastante negativas.

Entre os motivos que levaram ao adiamento constante do jogo está o perfeccionismo de seus criadores. Toda vez que uma nova engine gráfica ou recurso interessante fazia sua estreia, o projeto era reiniciado de forma a incorporar a novidade — em resumo, a obrigação de tornar o novo Duke Nukem algo grandioso contribuiu para o fracasso do projeto.

O título só viu a luz do dia após a Gearbox Software adquirir os direitos sobre ele no momento em que a 3D Realms se viu próxima da falência. Da maneira como o jogo chegou às lojas, ficou claro que um lançamento só ocorreu como forma de justificar o investimento feito para o estúdio conseguir os direitos sobre a franquia, que continua sem grandes novidades desde então.